Fevereiro 27, 2019 getLISBON 4Comment

A arte da calçada portuguesa é uma das maiores atracções de Lisboa. Mas sabia que existem curiosos segredos na calçada portuguesa no meio dos padrões a preto e branco? Venha descobri-los!

Já lhe falámos desta arte tão peculiar no artigo As Origens da Calçada Portuguesa e os seus Primeiros Exemplares. Desta vez, a ideia é reparar mais atentamente nesta fantástica manifestação artística e descobrir nela curiosidades inesperadas.

Sim, curiosidades inesperadas!

Se olharmos com atenção podemos descobrir, ocultos nos vistosos desenhos, imagens variadas que nos surpreendem a cada passo.

Um cacho de uvas, um pássaro, um relógio, um barco ou até mesmo o rosto que nos sorri, são alguns dos curiosos segredos na calçada portuguesa que nos fazem parar para apreciar e reflectir sobre a sua existência e os homens que as conceberam.

Se olharmos com atenção podemos descobrir, ocultos nos vistosos desenhos, imagens variadas que nos surpreendem a cada passo.
Cacho de uvas no desenho da calçada, Avenida da Liberdade

Curiosos Segredos na Calçada Portuguesa: Assinaturas ou Pura Provocação?

Estes motivos que nos surpreendem costumam ser interpretados como assinaturas dos calceteiros. Mas uma reflexão mais atenta faz-nos pensar numa outra possibilidade.

Os curiosos segredos na calçada portuguesa que referimos são figuras dissimuladas nos padrões que não se encontram repetidas.

Um dos locais com maior incidência destes casos é a Avenida da Liberdade, particularmente no troço em frente ao Parque Mayer, bem perto do Monumento aos Mortos da Grande Guerra.

Esta zona da calçada foi totalmente levantada aquando da construção do metropolitano e depois refeita, o que nos faz pensar que estas intervenções datam dos anos 50 do séc. XX.

Desenho na calçada que envolve o Monumento aos Mortos da Grande Guerra, na Avenida da Liberdade
Desenho na calçada que envolve o Monumento aos Mortos da Grande Guerra, na Avenida da Liberdade

Haverá relação entre as figuras representadas? Terão algum significado específico? Poderemos nunca ser capazes de dar resposta a estas perguntas. Contudo, não podemos ignorar que estamos perante exercícios de virtuosismo imbuídos de sensibilidade e gosto pelo ofício.

Desenho na calçada que envolve o Monumento aos Mortos da Grande Guerra, na Avenida da Liberdade
Desenho na calçada que envolve o Monumento aos Mortos da Grande Guerra, na Avenida da Liberdade

Entendemos que é ainda inerente um carácter provocador, subversivo, no sentido em que estes elementos clandestinos, alheios ao padrão imposto, são uma chamada de atenção destes homens que já se entendiam a si como artistas mas cujo estatuto estava muito longe de ser reconhecido.

Todavia, existem de facto assinaturas que alguns calceteiros introduzem nos seus trabalhos. É o caso dos contemporâneos calceteiros Jorge Duarte que assina com uma pedra em forma de coração, e de Vítor Graça que introduz a letra V nos seus trabalhos.

Mas interessa-nos perceber quem eram os primeiros homens que abraçaram este ofício.

Os Primeiros Calceteiros

Os primeiros homens que se dedicaram a este labor eram condenados da Cadeia do Limoeiro que por trazerem argolas de ferro e correntes nos pés ficaram conhecidos como “grilhetas”.

Este facto foi genialmente retratado pelo poeta realista do fim de oitocentos, Cesário Verde que no seu poema Cristalizações refere: “… Não se ouvem aves; nem o choro de uma nora!/ Tomam por outra parte os viandantes;/ E o ferro e a pedra – que união sonora! -/ Retinem alto pelo espaço fora,/ Com choques rijos, ásperos, cantantes…”

O apreço da população de Lisboa pelos extraordinários desenhos da calçada, primeiro da parada do Castelo de São Jorge (1842) e depois da Praça do Rossio (1848), não foi directamente transposto para os artesãos que os produziam.

Os calceteiros eram simplesmente condenados, a quem era exigida resistência física para realizar um trabalho duro que obrigava a passar longas horas numa posição incómoda a partir pedras.

E até Cesário Verde, que ninguém pode acusar de falta de sensibilidade, no mesmo poema se referiu aos calceteiros como trabalhadores grosseiros:  “Faz frio. Mas, depois duns dias de aguaceiros,/Vibra uma imensa claridade crua./ De cócoras, em linha, os calceteiros,/ Com lentidão, terrosos e grosseiros,/ Calçam de lado a lado a longa rua…”.

Ao longo do tempo foram afinando técnicas para a produção de uma boa calçada portuguesa. Estas passam por várias fases: preparação do piso, assentamento de pedras que evitam posteriores deformações do pavimento, acabamento e compactação final, entre outras. Tudo isso exige trabalho de calceteiros formados que dominam práticas muito exigentes.

A Valorização da Profissão

Homenagem da Cidade de Lisboa aos Calceteiros, Praça dos Restauradores
Homenagem da Cidade de Lisboa aos Calceteiros, Praça dos Restauradores

Apesar do merecido cartaz turístico que constitui a calçada portuguesa e a devida homenagem aos calceteiros através de um monumento, a profissão de calceteiro está, ainda hoje, longe de ser devidamente valorizada e por isso não são muitos os que se candidatam a aprender tão duro ofício.

Mas será que a dureza do trabalho corresponde a homens menos sensíveis ou desprovidos de sentido estético? Ao analisar estes curiosos segredos na calçada portuguesa que lhe trazemos e que se encontram espalhados um pouco por toda a cidade onde está presente a calçada artística, temos evidentemente de concluir que não.

Pássaro no desenho da calçada, Avenida da Liberdade
Pássaro no desenho da calçada, Avenida da Liberdade

Na verdade o calceteiro obedece a um desenho previamente definido geralmente por um artista plástico. Contudo, a forma e disposição das pedras é determinada por si e diz muito do nível de conhecimento técnico e sensibilidade que é necessário ter para desenvolver este trabalho.

A Escola de Calceteiros, criada pela CML em 1986, trouxe de certa forma um reconhecimento pela profissão e procura, junto dos seus formandos, transmitir não só a técnica mas também o valor que o seu ofício tem.

Porque há uma grande diferença entre tapar buracos com pedras que logo se soltam, provocando irregularidades incómodas de que os transeuntes tanto se queixam, e um trabalho executado com rigor que exige pedras bem talhadas que encaixam na perfeição e nesse caso constituem um dos melhores pisos públicos que existem.

Apelamos à valorização desta arte identitária portuguesa que tanto é apreciada no estrangeiro e que já se encontra replicada em muitas partes do mundo.

previous arrow
next arrow
PlayPause
Shadow
Slider

Para finalizar este artigo, podemos adiantar que encontrará para além dos curiosos segredos na calçada portuguesa acima ilustrados, outras surpresas um pouco por toda a cidade. Basta estar atento! 😉

4 thoughts on “Curiosos Segredos na Calçada Portuguesa em Lisboa

  1. Mais um bocadinho bem passado na companhia dos textos do GetLisbon. Adorei o despertar dos olhos para os detalhes da nossa calçada 🙂 Obrigada

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

4 × four =