Abril 4, 2018 getLISBON 2Comment

A propósito da emblemática obra do artista dadaísta Marcel Duchamp, Fonte, actualmente em exposição em Lisboa, aproveitamos para lhe falar de uma peça de mobiliário urbano, muito peculiar, os urinóis públicos. Talvez já tenha passado pelos que ainda restam e nunca lhes tenha prestado atenção.

Urinóis Públicos de Lisboa

Os urinóis públicos foram inventados pelos franceses no séc. XIX, e exportados para toda a Europa e América, estando ainda presentes em cidades como Paris, Amesterdão ou Berlim. Lisboa também importou esta invenção e podíamos encontrá-los em muitas esquinas e praças da cidade. São disso testemunha fotos antigas que nos revelam, para além da sua existência, uma grande diversidade de modelos.

Arquivo Municipal de Lisboa, s.a., s.d., PT-AMLSB-CMLSBAH-PCSP-004-SEX-000456

Estes equipamentos construídos em ferro tinham, na maioria dos casos, pormenores artísticos interessantes. Geralmente consistiam numa chapa suspensa, decorada, por vezes coberta com telhadinhos ou cúpulas semelhantes a quiosques.

Arquivo Municipal de Lisboa, Paulo Guedes (1886-1947), s.d., PT-AMLSB-CMLSBAH-PCSP-004-PAG-000131

Com o correr dos tempos os urinóis públicos foram caindo em desuso. Novos equipamentos sanitários mais confortáveis, higiénicos, privados e com uso extensivo às mulheres, foram substituindo esta peça de mobiliário urbano.

Na cidade de Lisboa julgamos só restarem três, se souber da existência de mais algum não hesite em contribuir com o seu testemunho.

Com tipologias bastante diferentes o primeiro e mais famoso na Rua do Chão da Feira à entrada do Castelo de São Jorge, exibe uma placa recortada com a figura de um menino a urinar que lembra o Manneken Pis de Bruxelas.

Menos conhecidos restam dois, ambos na nossa Zona Oriental, um com cobertura, no Poço do Bispo e outro, mais escondido e em pior estado, na Praça Viscondessa dos Olivais.

Urinol público à entrada do Castelo de São Jorge.

Urinol público à entrada do Castelo de São Jorge.

Urinol público à entrada do Castelo de São Jorge.

Urinol público no Poço do Bispo.

Urinol público no Poço do Bispo.

Urinol público no Poço do Bispo.

Urinol público na Praça Viscondessa dos Olivais.

Urinol público na Praça Viscondessa dos Olivais.

Urinol público na Praça Viscondessa dos Olivais.

previous arrow
next arrow
PlayPause
Shadow
Slider

Se passar por um destes locais não deixe de observar estes exemplares curiosos e únicos. Se não podem ser entendidos como obras de arte são sem dúvida verdadeiras peças de museu, testemunhos de uma época e de uma cultura.

A Fonte de Duchamp em Lisboa

Ah e não se esqueça como começámos este artigo!

No Museu Coleção Berardo no Centro Cultural de Belém está patente a exposição No Place Like Home, que resulta da colaboração internacional entre as cidades de Jerusalém e Lisboa.

A exposição pretende comemorar o 102.º aniversário do movimento Dada e o 101.º aniversário da icónica Fonte de Duchamp, o famoso urinol de loiça que subverteu a função do objecto e obrigou a repensar o conceito de arte.

Ali estão expostos mais de 100 objectos provenientes do Museu de Israel, Museu Coleção Berardo, Colecção Ellipse (Holma/Ellipse), e ainda pertencentes a colecções privadas, galerias e artistas de todo o mundo.

A programação destaca a reunião de obras de artistas de diferentes gerações e movimentos. Pode tomar contacto com obras de Marcel Duchamp, Man Ray, Claes Oldenburg, Andy Warhol, Louise Bourgeois, Yayoi Kusama, Takashi Murakami, Mona Hatoum, Alina Szapocznikow, entre outros.

Para ver até dia 03 de Junho!

2 thoughts on “Da Fonte de Marcel Duchamp aos Urinóis Públicos de Lisboa

  1. Já me servi desse urinol da entrada do Castelo de São Jorge e de alguns outros, em Paris. Eles são, realmente, interessantes como mobiliário urbano que marcou uma época.
    Post simples, mas bem apresentado. Parabéns!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

six + four =