Maio 2, 2018 getLISBON 2Comment

A Pastelaria Benard está de parabéns, completa este ano 150 anos.

Mas este espaço dispensa apresentações, em pleno Chiado faz há décadas a delícia de lisboetas e turistas.

A sua localização privilegiada, um toque de requinte e a ampla esplanada ajudam ao sucesso, mas a qualidade do fabrico próprio de bolos e salgados contribui igualmente para a sua popularidade.

Podemos destacar os famosos croissants simples ou recheados com chocolate, doce de ovos ou morango e os pastéis de nata. Mas a oferta de bolos com chantily, coloridos macarrons, petit four, bolachas decoradas para crianças e claro os deliciosos salgados, também não podem ser ignorados.

Petit four e bolachas decoradas para crianças
Petit Four e Bolachas Decoradas para Crianças

No balcão colorido por estas tentações, pode saborear uma refeição rápida, este coexiste com a sala de chá que inspira lanches prolongados em boa companhia.

Na sala do restaurante, num ambiente confortável e intimista transmitido pela decoração clássica intemporal, pode tranquilamente usufruir de uma refeição de qualidade. São geralmente muito apreciados os pratos de Bacalhau à Lagareiro, a Empada de Pato e para finalizar o Paris Brest, um verdadeiro pecado de chantilly.

Sala do restaurante, Pastelaria Benard
Sala do Restaurante

Um Pouco de História

Fundada em 1868 pelo Sr. Élie Benard, a então Pâtisserie Benard, situava-se na Rua do Loreto nas proximidades do Largo de Camões.

Será em 1902 que, sob a gerência dos herdeiros Casimiro, Pedro e Elias Benard, passou a ocupar as actuais instalações na Rua Garrett na zona mais central do Chiado.

Em 1914 o estabelecimento foi sujeito a obras de fundo. Desta intervenção resultou para além de um interior requintado e vistoso, muito elogiado pela imprensa da época, novos e modernos equipamentos na cozinha e a cantaria de pedra da fachada de gosto neoclássico que ainda hoje podemos observar.

Fachada da Pastelaria Benard
Fachada da Pastelaria Benard

Em 1926 a coquete Pâtisserie Benard que na sua designação revelava a legítima origem francesa, deu lugar à Pastelaria Benard. Este facto deveu-se ao surgimento da altíssima taxa cobrada pela Câmara Municipal de Lisboa aos dísticos das fachadas em língua estrangeira.

Neste início de século era muito evidente a diferença entre um café e uma pastelaria. Enquanto o café constituía ponto de encontro e de tertúlia do mundo masculino onde nenhuma mulher se atrevia a entrar, a pastelaria era uma sala de chá e tentações doces para senhoras. Neste espaço podiam conviver, ver e serem vistas nos seus melhores trajes e até os homens o frequentavam rendidos às mesmas tentações doces e às belezas femininas.

Menu do dia 27 de Abril de 1916, Pastelaria Benard
Menu do dia 27 de Abril de 1916.
Imagem gentilmente cedida pela Pastelaria Benard.

Novas Gerências

Assim foi até ao fim da II Guerra Mundial quando os hábitos e normas sociais mudaram radicalmente. Por essa altura a Pastelaria Benard mudou de dono.

Passou então para a posse de Manuel José de Carvalho também proprietário da Pastelaria Marques que se situava na mesma rua, um pouco mais abaixo, hoje já desaparecida. Com a nova gerência destacar-se-á a organização de banquetes para celebração de casamentos, baptizados e outros eventos importantes. Destes será sempre lembrado o jantar servido à rainha Isabel II de Inglaterra aquando da sua visita a Lisboa em 1957.

Com o correr dos tempos a Pastelaria Benard  foi entrando em declínio, perdendo qualidade e clientela. Nos anos 80 a situação financeira era deplorável, assim como o estado do seu património e o fim da Benard era iminente.

Maria Augusta Montes, uma empreendedora empresária com sucesso em outro ramo de actividade, de forma um pouco precipitada toma o estabelecimento de trespasse e apesar de muitas dificuldades reabilita o espaço devolvendo-lhe a dignidade e prestígio de outros tempos.

Sala de chá, Pastelaria Benard
Sala de Chá

A Pastelaria Benard é umas das muitas lojas distinguidas pelo Projecto Lojas com História, pela sua relevância enquanto elemento identitário do carácter da cidade. E não é razão para menos!

Este projecto promovido pela  Câmara Municipal de Lisboa visa preservar e salvaguardar os estabelecimentos de comércio tradicional, o seu património material, histórico e cultural.

Pastelaria Benard a celebrar 150 anos de doce tradição no coração de Lisboa.

Anúncio da Pâtisserie Benard, Dezembro de 1903.

Anúncio da Pâtisserie Benard, Dezembro de 1903.

Anúncio da Pâtisserie Benard, Dezembro de 1903.

Destaque para as Broas de Natal da Pâtisserie Benard in “Ilustração Portugueza”, 1912.

Destaque para as Broas de Natal da Pâtisserie Benard in “Ilustração Portugueza”, 1912.

Destaque para as Broas de Natal da Pâtisserie Benard in “Ilustração Portugueza”, 1912.

Notícia da renovação da Pâtisserie Benard in “Ilustração Portugueza”, 1914.

Notícia da renovação da Pâtisserie Benard in “Ilustração Portugueza”, 1914.

Notícia da renovação da Pâtisserie Benard in “Ilustração Portugueza”, 1914.

Notícia da renovação da Pâtisserie Benard in “O Século” 30 Outubro de 1914.

Notícia da renovação da Pâtisserie Benard in “O Século” 30 Outubro de 1914.

Notícia da renovação da Pâtisserie Benard in “O Século” 30 Outubro de 1914.

Publicidade da Pastelaria Benard anos 40.

Publicidade da Pastelaria Benard anos 40.

Publicidade da Pastelaria Benard anos 40.

Balcão colorido por doces tentações.

Balcão colorido por doces tentações.

Balcão colorido por doces tentações.

São servidos do nosso lanche?

São servidos do nosso lanche?

São servidos do nosso lanche?

previous arrow
next arrow
PlayPause
Shadow
Slider

 

2 thoughts on “Pastelaria Benard Celebra 150 Anos de Doce Tradição

  1. Que beleza de sugestão!
    Sempre que eu passar no Chiado não deixarei de ir lá tomar um chazinho com um bolinho tão tentador. Nenhum “diabete” estará decerto por perto, e se estiver, eu o convidarei para me fazer companhia… Também ele ficará freguês.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

four + 19 =