Lisboa Ocidental: De Alcântara a Belém, Um Passeio Fascinante

Em Lisboa Ocidental, a getLISBON abarca o percurso ribeirinho entre Alcântara e Belém (a ponta mais ocidental da cidade), um passeio fascinante.  Faremos, ainda, algumas incursões no interior próximo, como o Alto de Santo Amaro e a Ajuda, onde descobriremos jardins, palácios e mais vistas deslumbrantes sobre o Tejo.

Zona Ocidental de Lisboa e Ponte 25 de Abril

Este território era pertença do rei e foi ao longo do tempo dividido em parcelas e atribuído a nobres. É, por isso, pautado por palacetes antigos em diferentes estados de conservação e, alguns, infelizmente, já só presentes em velhas gravuras ou documentos que nos provam a sua existência.

A zona Lisboa Ocidental era uma região fértil de vinhas e pomares, animada não só pela actividade agrícola mas também pela existência de pedreiras de lioz e fornos de cal.

Alcântara

Alcântara, do árabe al-qantara, significa ponte. Ponte essa que já existia no período romano mas foi a ocupação árabe que lhe deu o nome. Esta ligava as duas margens da ribeira que passava onde hoje se situa a Avenida de Ceuta.

Em 1755 deu-se o terrível terramoto e, apesar de um paço real que aqui existia ter ruído, podemos dizer que a área de Alcântara não foi particularmente afectada pela destruição. Tornou-se até um local apetecível por quem teve de fugir de outras zonas.

O próprio rei mandou erigir um novo palácio no cimo da Ajuda e durante muito tempo ali habitou numa construção de madeira construída para o efeito, a Real Barraca.

A partir do séc. XVIII o desenvolvimento industrial promovido pelo Marquês de Pombal tem aqui um dos seus centros fabris. Esse desenvolvimento duraria até ao séc. XX, atraindo gentes de diversas regiões do país que encontravam trabalho em tinturarias, metalurgia, ou nas actividades do porto de Lisboa. Este ambiente industrial é observado na presença da Arquitectura do Ferro e nas instalações de antigos serviços sociais, como balneários, lactários e vilas operárias, que amparavam uma população de operários pobres e famintos.

Com a mudança dos tempos a actividade fabril foi desaparecendo e as fábricas e os armazéns do activo porto de Lisboa foram ficando vazios. São agora ocupados por lojas, restaurantes, bares e discotecas que animam a vida nocturna da cidade.

Alcântara e Alto de Santo Amaro

Belém

Do renovado ambiente industrial do início do séc. XX passamos para o ponto de partida dos descobrimentos no séc. XV, Belém. Este é o local obrigatório para quem visita a cidade. Aqui se encontram os mais magníficos e significativos monumentos de Lisboa. E, porque não dizê-lo, do país? A Torre de Belém, o Mosteiro de Jerónimos… e os famosos pastéis de Belém, ali estão há séculos fazendo as delícias de todos.

Mas isto, o leitor já sabe. O que pode não saber é o que significa o Chão Salgado ou do que se trata quando falamos da Travessa da Ermida. Ficou curioso? É o que pretendemos!

Mapa da zona Lisboa Ocidental