Abril 3, 2019 getLISBON 0Comment

Hoje trazemos-lhe um antigo conceito de casa de banho pública, os quiosques WC de Lisboa. Trata-se de verdadeiras peças de design com valor artístico que importa preservar.

Já tivemos oportunidade de lhe falar dos antigos urinóis públicos que esta cidade ainda conserva. Mas este artigo é sobre um outro equipamento do início do séc. XX de que subsistem quatro exemplares.

Vamos ainda revelar-lhe a localização de outro quiosque, já demolido, que conseguimos identificar através de fotografias antigas.

Um Projecto Inovador

Arquivo Municipal de Lisboa; Projecto e memória descritiva dos quiosques WC; 1913;  José Alexandre Soares
Arquivo Municipal de Lisboa; Projecto e memória descritiva dos quiosques WC; 1913; José Alexandre Soares (18–); PT/AMLSB/CMLSB/UROB-E/23/0921

Os quiosques WC de Lisboa são uns curiosos pavilhões de tijolo que podemos encontrar em quatro jardins públicos. Todos têm programas azulejares que merecem destaque, mas vamos primeiro perceber que equipamento urbano é este.

Corria o ano de 1913 quando o arquitecto José Alexandre Soares apresentou à Câmara Municipal de Lisboa um projecto de quiosques pavilhões-retretes para senhoras. Estes destinavam-se a ser implantados em praças e jardins públicos e incluíam anexos para a venda de flores e jornais.

A proposta do projecto refere expressamente que as soluções encontradas, referentes aos materiais, têm em conta preocupações económicas e de adaptação ao clima. Destacamos que apesar destas preocupações, o projecto não descura a estética e a decoração artística.

O modelo adoptado, tal como nos coretos de Lisboa, segue a linha do Kiosco de origem persa muito ao gosto da passagem do séc. XIX para o séc. XX. Modelo este que consiste num pavilhão coberto, geralmente de paredes vazadas, que era vulgar à época nos jardins, destinado a descanso ou abrigo.

Mas enquanto os coretos utilizam a inovadora arquitectura do ferro, aqui opta-se por uma estrutura de alvenaria com materiais tradicionais como a madeira e o tijolo burro ou vulgar.

Os pavilhões apresentam planta quadrada e dois níveis de cobertura que remetem para a estética oriental. Cada fachada tem uma porta de acesso ao interior que alterna com um balcão. A ladear essas aberturas existe um espaço reservado a painéis de azulejo que importa conhecer

Os 4 Quiosques WC de Lisboa

Não temos conhecimento de quantos destes quiosques WC foram construídos mas podemos mostrar-lhe os quatro que se preservam, renovados ou com novas funcionalidades.

Benfica – Parque Silva Porto

Quiosque WC no Parque Silva Porto em Benfica
Quiosque WC no Parque Silva Porto em Benfica

Situado logo à entrada do Parque Silva Porto, vulgarmente conhecido por Mata de Benfica, encontramos o primeiro dos quiosques WC de Lisboa. Este apresenta oito magníficos painéis de azulejos de 3×5, assinados e datados de 1915.

Estamos perante um programa azulejar do pintor José António Jorge Pinto, artista que se notabilizou pelas suas composições em estilo Arte Nova. Os desenhos figurativos naturalistas, de linhas sinuosas e ritmos ondulantes características deste estilo, surpreendem pela riqueza cromática e pela sensualidade dos temas.

Personificações da Fonte, do Bosque e da Caça
Personificações da Fonte, do Bosque e da Caça

Personificações da Fonte, do Bosque e da Caça convivem com a expressão Bem me Quer, Mal me Quer, Muito, Pouco, Nada.

Ideias de frescura, verde, conquista e enamoramento, são coerentes com a vivência de passeio e fruição da natureza da mata.

Expressão Bem me Quer, Mal me Quer, Muito, Pouco, Nada
Expressão Bem me Quer, Mal me Quer, Muito, Pouco, Nada

Este equipamento mantém actualmente as suas funções como WC público.

Cais do Sodré – Jardim Roque Gameiro

Quiosque da Carris no Jardim Roque Gameiro no Cais do Sodré
Quiosque da Carris no Jardim Roque Gameiro no Cais do Sodré

O segundo dos quiosques WC de Lisboa situa-se no Cais do Sodré. Pertence à Carris e tem hoje a função de quiosque de venda de títulos de transporte.

Apresenta apenas seis painéis de azulejos, sendo que dois deles apresentam muitas lacunas.

Do mesmo autor dos anteriores, estes estão igualmente assinados e datados, desta feita de 1916.

Personificações do Rochedo, do Búzio, da Areia e do Mar
Personificações do Rochedo, do Búzio, da Areia e do Mar

Mais uma vez, o tema das imagens representadas relaciona-se com o ambiente envolvente, neste caso, a proximidade do rio Tejo.

As personificações Areia, Mar, Rochedo, Búzio, Gaivota e Onda são apresentadas em composições com as características das anteriores. Pinceladas largas, linhas sinuosas e cores vibrantes surpreendem-nos e fazem lamentar as lacunas existentes e a total ausência de dois painéis que com certeza terão existido no passado.

Arroios – Jardim Constantino

Quiosque WC no Jardim Constantino em Arroios
Quiosque WC no Jardim Constantino em Arroios

O pavilhão do Jardim Constantino apresenta oito painéis de azulejos que não têm assinatura nem data e cuja composição difere dos anteriores quiosques WC de Lisboa.

Desta vez o autor, que julgamos ser o mesmo, optou por uma configuração tipo moldura, a azul e amarelo, igual para todos os painéis, mas com diferentes motivos centrais.

Painéis de azulejos do quiosque WC do Jardim Constantino
Painéis de azulejos do quiosque WC do Jardim Constantino

Em quatro dos painéis estão retratadas mulheres de diferentes idades, cujos desenhos de traços suaves nos remetem para uma certa sofisticação, que talvez o jardim de bairro, à época moderno, impunha.

Os outros quatro painéis apresentam dois desenhos que se repetem. Num observa-se uma pilha de livros, jornais e tabaco e no outro, garrafas e copos, o que indicia a presença de um ponto de venda destes produtos.

Hoje mantém a sua função original.

Jardim do Poço do Bispo

Quiosque WC do Jardim do Poço do Bispo
Quiosque WC do jardim do Poço do Bispo

O último quiosque WC de Lisboa de que lhe queremos falar situa-se no jardim da Praça David Leandro da Silva, no Poço do Bispo e tem uma particularidade curiosa.

As fotografias mais antigas deste equipamento apresentam os espaços destinados aos painéis vazios, o que nos leva a crer que talvez nunca tenham sido feitos azulejos específicos para esta construção.

À data da sua edificação esta zona oriental de Lisboa era fortemente industrializada e o facto do público a que se destinava este equipamento ser o operariado, não é de estranhar que a economia tenha ditado a sua ausência.

Devemos lamentar esta opção, uma vez que, estando o espaço envolvente particularmente comprometido com a temática e expressão dos painéis elaborados pelo pintor José António Jorge Pinto, podemos imaginar que este, inspirado pelos trabalhos relacionados com as fábricas e a faina do rio, teria certamente concebido belos painéis.

Painéis de azulejos do quiosque WC do jardim do Poço do Bispo
Painéis de azulejos do quiosque WC do jardim do Poço do Bispo

Hoje o espaço encontra-se preenchido com produções datadas de 1992 que reproduzem alguns dos do Jardim Constantino, contudo sem a qualidade dos originais.

Mantém igualmente as funções para que foi concebido.

Jardim do Príncipe Real, Um Exemplar Já Desaparecido

Quiosque WC do Jardim do Príncipe Real, já desaparecido
Arquivo Municipal de Lisboa; Quiosque WC do Jardim do Príncipe Real, já desaparecido; entre 1900 e 1945; José Artur Leitão Bárcia (1871-1945); PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/BAR/000860; PT/AMLSB/CMLSBAH/PCSP/004/BAR/000859

Através de duas fotografias antigas pudemos identificar um quinto quiosque WC, infelizmente já demolido. Situava-se no Jardim do Príncipe Real e, tal como os anteriores, apresentava painéis de azulejos.

As imagens a preto e branco não nos deixam apreciar as cores, mas os desenhos são aparentemente do mesmo artista e aproximam-se, em estilo, aos do Jardim Constantino, o que reforça a ideia das composições estarem relacionadas com o espaço envolvente.

Num dos painéis podemos observar um ardina que vende jornais e noutro um marinheiro que acende um cigarro. A ideia sugerida nos desenhos é reforçada num letreiro que anuncia tabacos e jornais em letras Arte Nova.

A fotografia da fachada oposta não nos permite ver com clareza os painéis, mas adivinhamos uma paisagem entre molduras idênticas às anteriores.

Desconhecemos o ano da demolição, apenas a podemos lamentar. Terão os azulejos sido salvos?… Gostaríamos de pensar que sim!


Após esta leitura quando passar por um destes quiosques WC de Lisboa certamente não se irá esquecer de apreciar estas bonitas peças de arte e design, testemunhos de um tempo em que a funcionalidade, a estética e a arte faziam parte de um todo.

É desejável que se mantenham preservadas por muito tempo.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

eighteen − 13 =