PEDDY+, eventos

Organizamos passeios pedestres, visitas guiadas e outros eventos culturais na zona da grande Lisboa. Porque só podemos valorizar aquilo que conhecemos…


24 | Março | 2019 – domingo

Residência oficial da Família Real Portuguesa de 1861 a 1910, o Palácio Nacional da Ajuda surge no local onde, depois do fatídico dia 1 de novembro de 1755, a corte de D. José (1714-1777) instalou aquela que ficou conhecida como a “Real Barraca” que, devido a um incêndio, foi destruído em 1794.

O atual edifício, que surgiu após esse fatídico dia, é símbolo do neoclassicismo e teve as suas obras iniciadas no ano de 1796, sob a regência do Príncipe Real D. João. Foram várias as vicissitudes (políticas, sociais e económicas) que tornaram o edifício incompleto. Só em 1861, com o jovem rei D. Luís I (1831-1889) é que o Palácio Nacional da Ajuda adquiriu finalmente a verdadeira dimensão de Paço Real ao ser escolhido para residência oficial da sua corte.
Assim, o vasto espólio decorativo que esta instituição apresenta é fruto das aquisições dos últimos Bragança e, ao contrário da maioria dos palácios musealizados, apresenta-se historicamente reconstituído. Em grande parte devido às famosas gravuras de Enrique Casanova e ao Arrolamento Judicial de 1911.
Dividido em dois pisos, podemos assim destacar no piso térreo as salas e os ambientes privados dos reis (D. Luís e D. Maria Pia) e dos príncipes D. Carlos (futuro D. Carlos I) e D. Afonso (duque do Porto), enquanto no andar nobre podemos encontrar os salões onde a corte realizava as receções oficiais.

Guia: Pedro Fortes
Ponto de encontro: Largo da Ajuda, 1300-018 Lisboa
Duração aprox.: 2 horas e 30 minutos
Hora: 10h30
Valor de inscrição: 12,00€ por pessoa (crianças até aos 12 anos não pagam)
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

Image by Alegna13 – Own work, CC BY-SA 3.0

voltar ao topo


Visita Encenada ao Palácio Foz - PEDDY+

30 | Março | 2019 – sábado

Estamos em 1889. A Marquesa de Castelo Melhor acaba de vender o seu palácio a Tristão Guedes, futuro Marquês da Foz. Sucedem-se alguns anos de fausto e de festa, até ao final de novecentos. Nos alvores do século XX, o palácio é adquirido pelo 1º Conde de Sucena, que o arrenda para vários fins.
Nesta viagem, partimos de finais do século XIX para percorrermos os momentos áureos de uma das casas mais emblemáticas da baixa Lisboeta, que viu celebrados os “loucos anos 20”, mas também a Revolução de Abril.

Ponto de encontro: Praça dos Restauradores 1250 Lisboa
Duração aprox.: 2 horas
Hora: 15h00
Valor de inscrição: 14,00€ por pessoa
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

Image by RickMorais

voltar ao topo


6 | Abril | 2019 – sábado

O Palácio da Pena é um ícone do movimento cultural do século XIX, o Romantismo. É também reflexo da importância que D. Fernando II, rei consorte, marido da Rainha D. Maria II, teve na vida do país, nomeadamente no que diz respeito ao património edificado.

Apaixonado por Portugal, D. Fernando fez do Palácio da Pena um livro de pedra onde se podem ler momentos essenciais da nossa história e também as influências de quem veio da Europa Central.
Acresce ainda a envolvência e a localização que escondem um misticismo próprio dos lugares altos e mitos que se perdem nas memórias do tempo.
A UNESCO classificou Sintra como Património da Humanidade, numa categoria específica – “Paisagem Cultural” – e, na verdade, até o que parece simplesmente natural resulta de um acto cultural.
Esta visita guiada ao Palácio Nacional da Pena faz parte de um programa integrado que inclui ainda transporte de ida e volta para Lisboa, almoço e passagem por outros locais de interesse, como sejam o Centro Histórico de Sintra, o Cabo da Roca, a Praia do Guincho e o Cabo Raso.

Eis o programa completo:
08:45 – Ponto de encontro na Praça dos Restauradores (VIP Eden Hotel);
09:30 – Chegada a Sintra e Visita Guiada ao Palácio Nacional da Pena;
12:00 – Tour pelo Centro Histórico de Sintra;
13:30 – Almoço em restaurante em Colares;
15:30 – Passagem pelo Cabo da Roca, Praia do Guincho e Cabo Raso;
16:30 – Paragem em Cascais;
17:00 – Regresso a Lisboa.

Guia: Paulo Santos
Ponto de encontro: Praça dos Restauradores (VIP Eden Hotel)
Duração aprox.: 8 horas e 30 minutos
Hora: 08h45
Valor de inscrição: 75,00€ por pessoa
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

voltar ao topo



7 | Abril | 2019 – domingo

O Castelo de São Jorge, assim chamado por D. João I, é um ícone da cidade de Lisboa. A informação arqueológica sobre a ocupação humana do lugar remonta à idade do Ferro.

Na época romana terá existido no local algum tipo de fortificação, mas é no período islâmico que a então alcáçova ganha forma e importância.
Entre os reinados de D. Afonso III e de D. Manuel I, o Castelo vive a sua época de ouro quando era alcáçova, paço real e arquivo.
Porém, a construção do paço da Ribeira, a sua utilização como aquartelamento militar e os terramotos levaram o Castelo à ruína.
Uma profunda intervenção nos anos 40 do século passado conferiu-lhe a imagem de castelo medieval que hoje apresenta.

Guia: Paulo Santos
Ponto de encontro: Rua de Santa Cruz do Castelo, 1100-480 Lisboa
Duração aprox.: 2 horas
Hora: 10h30
Valor de inscrição: 12,00€ por pessoa
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

voltar ao topo


Visita Guiada à Quinta da Regaleira - PEDDY+

13 | Abril | 2019 – sábado

Venha connosco descobrir um dos mais surpreendentes monumentos da Serra de Sintra – a Quinta da Regaleira – construída entre 1904 e 1910, no derradeiro período da monarquia.

Adquirida pela Baronesa da Regaleira, filha de Alfredo Allen, rico comerciante do Porto em 1840, a propriedade transforma-se num galante refúgio estival, com palacete, capela e jardim e passa a ser conhecida por Quinta da Torre da Regaleira.
Em 1893 é vendida em hasta pública por António Augusto Carvalho Monteiro (1848-1920), homem de vasta cultura, cuja for­tuna fora acumulada no Brasil, que lhe junta outras parcelas de terrenos, tomando a forma atual.
Carvalho Monteiro (ou ‘Monteiro dos Milhões’), profundo amante da gloriosa epopeia nacional, traduzida na época pelo gosto ‘revivalista’ da arquitetura neomanuelina, inspirou-se para a construção da sua mansão e respetiva capela, quer no ecletismo estrutural e decorativo da Pena, quer no assumido estilo neomanuelino do Palácio do Buçaco, este último da autoria de Luigi Manini (1848-1936).
Assim, Carvalho Monteiro convidou o próprio Manini para projetar e edificar a casa da Regaleira, a qual veio a ser concluída em 1911.
Adquirida em Março de 1997 pela Câmara Municipal de Sintra, a Quinta da Regaleira é, atualmente a sede social da Fundação CulturSintra, que aí desenvolve um vasto programa de conservação e recuperação patrimonial, de dinamização turística e de aplicação de um plano de atividades culturais.

Ponto de encontro: Rua Barbosa du Bocage 5, 2710-517 Sintra
Duração aprox.: 2 horas
Hora: 09h00
Valor de inscrição: 20,00€ por pessoa (sem transporte); 30,00€ por pessoa (com transporte de ida e volta a partir de Lisboa)
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

voltar ao topo


Visita Guiada: Casa-Museu Anastácio Gonçalves - PEDDY+

14 | Abril | 2019 – domingo

Também conhecida como Casa Malhoa, a Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, localizada no coração de Lisboa (na zona do Saldanha) foi a primeira casa-de-artista da capital, na qual residiu o pintor naturalista José Malhoa.

Projetada em 1904 pelo arquiteto Norte Júnior, a Casa veio a ser distinguida com o Prémio Valmor no ano seguinte, tendo sido vendida ao médico oftalmologista e colecionador de arte Anastácio Gonçalves em 1932.

Além de residência, a Casa-Museu passa também a funcionar como arquivo da vasta coleção de arte daquele médico que, tendo falecido em 1969, entende legar ao Estado Português o edifício e o seu espólio, na condição de aí ser criado um museu.

É assim que nasce a atual Casa-Museu, aberta ao público em 1980, onde podem ser apreciadas cerca de 3.000 peças representativas de pintura portuguesa dos séculos XIX e XX, porcelana chinesa e mobiliário português e estrangeiro. Além disso, o museu acolhe ainda um conjunto de desenhos e aguarelas do pintor naturalista Silva Porto.

Guia: Pedro Silva Fortes
Ponto de encontro: Avenida 5 de Outubro, 6, 1050-055 Lisboa
Duração aprox.: 2 horas
Hora: 10h30
Valor de inscrição: 12,00€ por pessoa (crianças até aos 12 anos não pagam)
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

voltar ao topo



25 | Abril | 2019 – quinta-feira

Mais de 400 participantes num evento sem precedentes neste país! Uma lição de história ao vivo dirigida a toda a família!

Pé ante pé vamos fazer uma visita a todos os recantos do Palácio de Queluz, ouvir a sua história, ver pessoas de outra época. Vamos ouvir cantar, tocar e dançar músicas de setecentos. Saber como ali se realizava grandes festas, que vestidos e outros trajes se usavam neste espaço de enorme beleza e requinte. Vamos aprender que os príncipes e infantes não iam à escola mas tinham muitas matérias para aprender. Que outras surpresas haverá para descobrir?
Este evento é um exclusivo Peddy+ em parceria com a Parques de Sintra, cuja realização está condicionada a um número mínimo de 30 participantes.
Conforme informação disponibilizada pela Parques de Sintra, trata-se de uma atividade recomendada para famílias com crianças entre os 5 e os 12 anos e requer inscrição e pagamento prévio.

Ponto de encontro: Largo do Palácio de Queluz
Duração aprox.: 2 horas
Hora: 15h00
Valor de inscrição: 18,00€ por pessoa
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

voltar ao topo


Percurso Pedestre Arte Urbana da Quinta do Mocho

4 | Maio | 2019 – sábado

Depois do sucesso da primeira edição, repetimos este percurso que mostra como as galerias de arte passaram para a via pública!

A Quinta do Mocho em Loures ganhou fama internacional como montra de arte urbana. A estratégia foi pensada e conduzida de raiz pela autarquia.
Um pouco por todo o mundo, nos últimos anos, a arte urbana saiu da marginalidade e assumiu-se como elemento de identidade das cidades. Paredes despidas que deram lugar a pinturas deixaram de ser apagadas e muitas até são patrocinadas pelas autarquias. Loures usou a receita para reabilitar a imagem do bairro da Quinta do Mocho e tornou-se uma referência internacional. Conseguiu transformar um dos bairros mais problemáticos da periferia de Lisboa num ponto de atracção turística para nacionais e estrangeiros.
Maria Eugénia Coelho, vereadora com os pelouros da habitação, coesão social, recursos humanos e educação, admite que os resultados do projecto extravasaram expectativas, mas sublinha que o objectivo de “recuperar o bairro através da arte e juntamente com os moradores traçar estratégias de mudança de imagem” foi totalmente planeado. Até ali, não existiam manifestações de arte urbana no bairro e no próprio concelho eram incipientes.
Não perca este percurso pedestre em que vai poder pôr em causa alguns preconceitos que deixam de fazer sentido no século XXI!

Ponto de encontro: Casa da Cultura de Sacavém, Urbanização Terraços da Ponte, Sacavém
Duração aprox.: 3 horas
Hora: 10h00
Valor de inscrição: 15,00€ por pessoa
Envie o comprovativo da transferência bancária para: [email protected]

voltar ao topo