Setembro 16, 2020 getLISBON 2Comment

Neste artigo queremos surpreendê-lo com uma selecção de originais placas toponímicas em Lisboa.

São suportes diferentes dos modelos tradicionais-oficiais que lhe mostrámos em Tipologias de Placas Toponímicas em Lisboa, onde falámos da ligação destas com o desenvolvimento e a ocupação do espaço urbano.

Desta vez propomos-lhe ver placas completamente diferentes que fogem às regras. São discretos apontamentos que nos revelam particularidades e nos contam interessantes episódios relacionados com esta fascinante cidade.

A Selecção de Originais Placas Toponímicas em Lisboa

São muitas as placas toponímicas não oficiais, de formatos e materiais diversos, que observamos durante as nossas caminhadas.

Estas que lhe apresentamos dão-nos informação sobre o próprio município, a sua ligação com o mundo e algumas das diferentes personalidades que marcaram Lisboa de distintas formas.

Praça Luís de Camões

Placa toponímica da Praça Luís de Camões. Este painel reproduz uma versão a cores da ilustração presente na primeira edição de Os Lusíadas, editada em 1572. Trata-se de um desenho de carácter renascentista composto por um conjunto de elementos arquitectónicos com decoração vegetalista que envolvem os caracteres.
Placa toponímica da Praça Luís de Camões

Começamos pela Praça Luís de Camões, topónimo atribuído por Edital do Governo Civil de Lisboa de 12 de Outubro de 1860. No edifício de esquina com a Rua do Alecrim podemos admirar uma curiosa placa toponímica em forma de painel de azulejos recortados.

Este painel reproduz uma versão a cores da ilustração presente na primeira edição de Os Lusíadas, editada em 1572. Trata-se de um desenho de carácter renascentista composto por um conjunto de elementos arquitectónicos com decoração vegetalista que envolvem os caracteres.

Estes caracteres designam PRAÇA LUIZ DE CAMÕES (POETA) e uma data para a qual não encontramos explicação. Em numeração romana X-VI-MDLXX remete para 10 de Junho de 1570. Ora a data da morte do poeta é realmente 10 de Junho mas de 1580. Faltará um X?

Ainda em homenagem ao poeta Luís de Camões encontramos nesta praça um monumento escultórico inaugurado a 9 de Outubro de 1867. Este é da autoria de Vítor Bastos (1830-1894), que entre outras obras realizou as estátuas do 1º registo do Arco do Triunfo da Praça do Comércio.

Praça do Município

Placa toponímica da Praça do Município. Esta placa toponímica, que parece ser uma iniciativa contemporânea da da Praça de Luís de Camões, é um bonito exemplar de azulejaria portuguesa, aplicado numa fachada mesmo em frente à Câmara Municipal de Lisboa.
Placa toponímica da Praça do Município

Esta placa toponímica, que parece ser uma iniciativa contemporânea da da Praça de Luís de Camões, é um bonito exemplar de azulejaria portuguesa, aplicado numa fachada mesmo em frente à Câmara Municipal de Lisboa.

Anteriormente designado Largo do Pelourinho, este espaço passou a Praça do Município por edital camarário de 24 de Março de 1886.

Trata-se de um suporte em azulejo pintado e recortado que apresenta no topo uma caravela com bandeira de Lisboa e a representação do distintivo acompanhado do Colar de Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.

Este peculiar apontamento constitui uma evocação à mais importante Ordem Honorífica Portuguesa, condecoração que a Câmara Municipal de Lisboa recebeu no dia 30 de Janeiro de 1920.  

As Placas Toponímicas do Museu Militar de Lisboa

Placa toponímica do Largo do Museu da Artilharia. É uma placa em bronze de forma ovalada com as letras em relevo e revela-nos o antigo nome do Museu Militar de Lisboa que desde 1926 tem a actual designação.
Placa toponímica do Largo do Museu da Artilharia

Podemos observar duas originais placas toponímicas em Lisboa na esquina poente do edifício do Museu Militar de Lisboa, na zona de Alfama. Uma corresponde ao Largo do Museu D’Artilharia e a outra à Rua Teixeira Lopes (imagem de capa deste artigo).

A primeira é uma placa em bronze de forma ovalada com as letras em relevo e revela-nos o antigo nome do museu que desde 1926 tem a actual designação.

A segunda é mais elaborada, apresenta a forma de um escudo ladeado por dois dragões alados e coroado por motivos vegetalistas. Neste exemplar as letras são gravadas.

A rua recebeu o nome Teixeira Lopes em 1903 e remete-nos para uma ilustre família de artistas: José Joaquim Teixeira Lopes (1837-1918), escultor e ceramista; e os seus filhos, o escultor António Teixeira Lopes (1866-1942), e o arquitecto  José Teixeira Lopes (1872-1919).

É de salientar que António Teixeira Lopes é o autor do conjunto escultórico do portal nascente do Museu Militar de Lisboa, onde está representada a figura alegórica da Pátria (c.1908). E o seu irmão, o responsável pelo projecto arquitectónico de remodelação do antigo edifício que decorreu entre 1905 e 1908.

Desconhecemos as datas de afixação destas placas, sendo seguro que não existiam em 1905, como provam imagens que constam do Arquivo Municipal de Lisboa. O material utilizado será, certamente, uma referência de memória à antiga Fundição de Baixo pertencente ao Arsenal do Exército que funcionou naquele local.

Bairro Estrela d’Ouro

Placa toponímica da Rua Virgínia. Trata-se de uma chapa de metal rectangular, pintada de azul com letras brancas, em que cada canto apresenta uma estrela amarela de cinco pontas.
Placa toponímica da Rua Virgínia

O Bairro Estrela d’Ouro, na Graça é uma vila operária projectada em 1907 pelo arquitecto Norte Júnior.

Este projecto nasceu da iniciativa de Agapito Serra Fernandes, industrial de confeitaria de origem galega, e destinava-se ao alojamento dos seus trabalhadores.

A vila é composta por quatro ruas, todas com nomes de familiares do empresário: Rua Virgínia, Rua Josefa Maria, Rua Rosalina e Rua Serra Vidal que figuram em placas toponímicas com características específicas e identitárias do bairro.

Trata-se de uma chapa de metal rectangular, pintada de azul com letras brancas, em que cada canto apresenta uma estrela amarela de cinco pontas.

Este elemento está presente em todo o bairro: no seu nome, nos desenhos da calçada portuguesa, nos ferros forjados, nos painéis de azulejos entre outras peças decorativas.

A razão terá sido a homenagem que o empresário pretendia fazer a Campus Stellae (Campo da Estrela), uma  das possíveis origens etimológicas de Santiago de Compostela.

Largo Rafael Bordalo Pinheiro

Placa toponímica do Largo Rafael Bordalo Pinheiro. As placas toponímicas em cerâmica, ali presentes, remetem para o seu trabalho como criativo ceramista que viveu e morreu no nº28, deste antigo Largo da Abegoaria.
Placa toponímica do Largo Rafael Bordalo Pinheiro

Este largo localizado no Chiado, em pleno coração de Lisboa, recebeu o nome de  Rafael Bordalo Pinheiro (1846-1905), um dos maiores artistas portugueses, em 1915.

As placas toponímicas em cerâmica, ali presentes, remetem para o seu trabalho como criativo ceramista que viveu e morreu no nº28, deste antigo Largo da Abegoaria.

Pode apreciar importantes obras suas no divertido Museu Bordalo Pinheiro, assim como, fantásticos animais de cerâmica no Jardim Bordalo Pinheiro, ambos localizados no Campo Grande.

Avenida Rio de Janeiro

Placa toponímica da Avenida Rio de Janeiro. As placas metálicas, azul-escuro com letras brancas, que podem ser vistas ao longo desta avenida constituem uma homenagem à cidade do Rio de Janeiro onde o modelo de placa toponímica utilizado é idêntico.
Placa toponímica da Avenida Rio de Janeiro

Esta artéria que liga a Avenida dos Estados Unidos da América à Avenida do Brasil recebeu a actual designação em 1948.

Faz parte de um conjunto de arruamentos a que foram atribuídos nomes de cidades europeias e brasileiras, conferindo um certo cosmopolitismo à Lisboa da época.

As placas metálicas, azul-escuro com letras brancas, que podem ser vistas ao longo desta avenida constituem uma homenagem à cidade do Rio de Janeiro onde o modelo de placa toponímica utilizado é idêntico.

Avenida de Madrid

 Placas toponímicas da Avenida de Madrid. Em toda a extensão desta avenida podemos encontrar seis placas toponímicas de azulejos com pinturas diferentes alusivas a Madrid e assinadas por R. Del Olmo.
Placas toponímicas da Avenida de Madrid

Em toda a extensão desta avenida podemos encontrar seis placas toponímicas de azulejos com pinturas diferentes alusivas a Madrid e assinadas por R. Del Olmo.

Entre monumentos e locais emblemáticos temos: no início da avenida, do lado esquerdo a Estátua Equestre de Filipe III na Praça Mayor; do lado direito a Fonte de Cibeles, mais à frente a Porta de Alcalá; no prédio nº 28 a Estátua de Eloy Gonzalo na Praça de Cascorro; e no final da artéria é possível ver do lado esquerdo outra vista da Praça Mayor e em frente desta, a última das seis placas, referente ao Monumento a Dom Quixote na Praça de Espanha.

Estas placas são semelhantes às usadas na capital espanhola e terão sido colocadas em 1986, aquando da semana de Madrid em Lisboa.

Rua de Macau

Placa toponímica da Rua de Macau. Em 1999, ano da passagem da soberania de Macau de Portugal para a China, foram colocadas duas placas toponímicas, cujo modelo é o utilizado em Macau desde a década de 80.
Placa toponímica da Rua de Macau

A última das originais placas toponímicas em Lisboa que escolhemos para si encontra-se na Rua de Macau no antigo Bairro das Colónias, um dos 7 Sinais de Macau em Lisboa por nós divulgados.

Este bairro foi construído nos anos 30 do séc. XX e as suas artérias receberam nomes dos então territórios portugueses.

Em 1999, ano da passagem da soberania de Macau de Portugal para a China, foram colocadas duas placas toponímicas, cujo modelo é o utilizado em Macau desde a década de 80.  

Este é composto por um painel de azulejos brancos com bordadura azul, dividido em dois campos, um destinado ao topónimo em português e o outro ao topónimo na língua chinesa.

Pode conferir na imagem de capa do artigo 7 Sinais de Lisboa em Macau. 😉


Esta é a nossa selecção de originais placas toponímicas em Lisboa. Com elas esperamos ter contribuído para o despertar de um olhar mais curioso e atento sobre estas e outras singularidades desta maravilhosa cidade.

O projecto getLISBON tem sido muito gratificante. Queremos continuar a revelar singularidades da apaixonante cidade de Lisboa.

Ajude-nos a manter o projecto vivo!

Para isso, basta usar os links que disponibilizamos para fazer as suas reservas. Não lhe vai custar mais e para nós é uma grande ajuda!

• Encontre os melhores hotéis no Booking.com e usufrua dos 15% ou mais de desconto!
• Faça visitas guiadas e outros eventos culturais com a nossa parceira PEDDY+
• Se pretende uma experiência diferente, podemos elaborar um roteiro personalizado de acordo com os seus interesses. Fale connosco!
• Ou se prefere tours e outras actividades em vários destinos, faça a sua escolha na GetYourGuide
• Poupe tempo e dinheiro com o Lisboa Card!
Alugue uma viatura com a Autoeurope e conheça outras regiões de Portugal
• Veja também a vasta oferta de viagens da Agência Abreu

Siga-nos!

2 thoughts on “Originais Placas Toponímicas em Lisboa

  1. Só para apreciar estas maravilhas, ignoradas por muitos de nós, vale a pena um passeio por todas estas ruas. Num lindo dia de sol, que os há muitos nesta nossa cidade

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

14 + 20 =